As 20 principais estatísticas de criptomoeda para a América Latina

As 20 principais estatísticas de criptomoeda para a América Latina

Houve um aumento consistente e massivo em criptomoedas, incluindo na sua tecnologia fundamental de blockchain, na América Latina. Com a queda das moedas regulamentadas pelos governos, todos os latino-americanos voltaram-se para o dinheiro virtual em busca de uma opção mais segura e lucrativa. A falha em controlar o dinheiro digital encobriu as indústrias, devido a ocorrências com empresas ilegais.

A adoção repentina e rápida da Bitcoin na América Latina, incluindo também diferentes outras criptomoedas, fez também aumentar iniciativas de inovação para combater o roubo, incluindo a corrupção de alto nível. Também contribui no aumento da produtividade corporativa, bem como na promoção de benefícios de políticas públicas. O número de pessoas que são banidas ou financeiramente mal servidas pelas instituições bancárias não é conhecida na América Latina. Segundo as estatísticas, estima-se que o número ronde os 70%, ou seja, mais de 400 milhões de pessoas, sendo um vasto mercado com imensas oportunidades para quem dele conseguir tirar o melhor proveito.

Principais estatísticas de criptomoeda na América Latina

Regulamentação de criptomoedas na América Latina

Muitos países latino-americanos têm regulamentos relativamente às criptomoedas. Alguns desses regulamentos são rígidos, proibindo o dinheiro digital e alguns são gratuitos, permitindo o seu uso diário. Outros, ainda, cobram impostos sobre os ganhos no dinheiro digital.

  1. Em 2014, a Bolívia proibiu as criptomoedas dentro das suas fronteiras. A proibição garantiu que todas as moedas não regulamentadas pelo governo fossem consideradas ilegais.
  2. Em julho de 2014, o Equador também proibiu a circulação de criptomoedas dentro das suas fronteiras.
  3. Brasil, Venezuela, Argentina e Chile aprovaram o uso de criptomoeda. Mas as moedas não são aceites nas compras diárias e trocas comerciais.
  4. Brasil e Argentina possuem taxas sobre os lucros em todas as criptomoedas.

Popularidade da Bitcoin na América Latina

Recentemente, tem havido uma ampla aceitação de criptomoedas e da Bitcoin nos países latino-americanos. Isto ocorreu devido à desvalorização das moedas locais. As pessoas que moram nesses países entendem que manter o seu dinheiro em bancos usando as suas moedas locais pode originar a perda do seu dinheiro. É por isso que os seus investimentos são principalmente em criptomoedas, tendo percebido que melhor valor está associado a criptomoedas em comparação com as moedas do governo.

  1. De acordo com as estatísticas, a região com mais utilizadores de criptomoedas no mundo é a América Latina.
  2. No Top de países com mais utilizadores está o Brasil, Colômbia, Argentina, Mexico e Chile.
  3. 18% de todos os utilizadores individuais vem de pessoas no Brasil e Colômbia.
  4. 16% dos utilizadores na América Latina situam-se na Argentina.
  5. 16% da totalidade dos utilizadores de criptomoeda na América Latina situam-se no México.
  6. 11% dos utilizadores na América Latina situam-se no Chile.

O cenário de negociação de criptomoedas nos países da América Latina

Um dos pontos significativos responsáveis pela rápida e generalizada subida das criptomoedas nos países latino-americanos é o seu comércio robusto. Com tanta situação a acontecer nestes países, é compreensível que moedas mais flexíveis e descentralizadas prosperem dentro das suas fronteiras.

  1. O Brasil é o país líder no uso de criptomoedas e no volume transacionado.
  2. Venezuela é o segundo país no que diz respeito ao uso e volume transacionado em criptomoeda.
  3. A América Latina é conhecida por ter a maior percentagem de atividades de criptografia no retalho, declarada como transferência não chegando a 10.000 dólares em criptomoeda.
  4. Investidores profissionais perfazem cerca de 80% do volume mensal em transferências.
  5. Os países da América Latina fizeram transferências de cerca de 25 billiões de dólares em criptomoeda.
  6. Os países da América Latina receberam cerca de 24 biliões de dólares em criptomoeda.
  7. A quantidade de criptomoeda enviada e recebida é cerca de 5% e 9%, respectivamente, do mercado global de criptografia mundial.

O primeiro país da América Latina a usar criptomoedas

Apesar de um número considerável de casos de corrupção, incluindo a instabilidade da economia que abala muitos países do mundo, ainda há muito a ganhar com a tecnologia de blockchain nos países latino-americanos. Eles não apenas esperam mais da tecnologia blockchain, mas também estão muito interessados em criptomoedas como a Bitcoin. Enquanto alguns países latino-americanos como o Equador e Bolívia colocaram uma proibição inicial de criptomoedas, outros latino-americanos confirmaram que estão a realizar todos os esforços para reconhecê-la e regulamentá-la.

  1. O México foi o principal país da América Latina a estabelecer uma estrutura jurídica para o uso de moedas virtuais. Isto foi feito através de fintech.

A criptomoeda mais popular na América Latina

O interesse crescente nos países da América Latina em criptomoedas trouxe o pagamento em Bitcoins até ao Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Mexico entre outros.

  1. Bitcoin parece ser a criptomoeda mais popular nos países da América Latina.
  2. Bitcoin é também a primeira e mais popular moeda virtual a ser usada para negócios em Cuba.

Conclusão

Em grande parte do mundo, a criptomoeda está a ser aceite. No entanto, a América Latina domina o mundo no uso de criptomoedas. Estas são apenas as estatísticas básicas e mais ainda está para ser conhecido sobre como as inúmeras criptomoedas tomaram conta da América Latina.