Dia Internacional da Mulher

Dia Internacional da Mulher

O dia 8 de março é um dia que foi escolhido explicitamente como o Dia Internacional da Mulher, quando as conquistas políticas, sociais, económicas e culturais das mulheres são celebradas em todo o mundo. É também um dia reservado para aumentar a consciencialização contra o preconceito de género e promover a igualdade para ambos os sexos.

Em primeiro lugar, é fascinante e informativo saber que o Dia Internacional da Mulher já existe há mais de um século, tendo começado em 1911. Outro facto interessante a notar, são as cores que simbolizam esta grande data. Roxo, branco e verde são as cores que simbolizam o Dia Internacional da Mulher. Enquanto o Púrpura indica dignidade e justiça, o Branco significa pureza e o Verde representa a esperança.

Violência contra as Mulheres

Muitas mulheres e meninas foram vítimas de violência em todos os países, continentes e culturas. O crime contra as mulheres ocorre em contexto de violência doméstica ou sexual e está aumentar a cada dia. Um dos mais comuns é a violação. Hoje, a violação tem sido usada por criminosos como instrumento de guerra contra mulheres e meninas em diferentes partes do mundo. Trata-se de desumanidade ao mais alto nível.

Estudos recentes mostraram que uma grande percentagem de mulheres sofre em silêncio devido à violência sexual, da qual se tornaram vítimas num momento ou outro. Crimes de violência sexual, como violação, prostituição forçada e outras formas de atos sexuais coercivos, vão contra as leis internacionais de direitos humanos, o direito internacional humanitário e legislação nacionais.

Muitos países ratificaram tratados internacionais para impor a proteção de mulheres e meninas. A Declaração sobre a Eliminação da Violência contra as Mulheres (1993) reconhece que a violência contra as mulheres é uma violação dos direitos humanos. O Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, também considera os crimes de violência contra as mulheres como crimes de guerra e crimes contra a humanidade. De acordo com esta lei, “Violação, escravidão sexual, esterilização forçada ou qualquer outra forma de violência sexual de gravidade comparável” são considerados crimes de guerra. Se esses atos fossem cometidos como parte de um ataque generalizado ou sistemático a uma população civil, eles constituiriam crimes contra a humanidade. A maioria das mortes de 70% de não combatentes em conflitos recentes foram mulheres e crianças ”(Assembleia Geral, Estudo aprofundado de todas as formas de violência contra as mulheres: Relatório do Secretário-Geral, 2006).

Embora a violência contra as mulheres tenha se tornado muito galopante nos dias de hoje, tem sido também amplamente considerada como um crime mais comum, mas menos punido em todo o mundo. Também foi descoberto que as mulheres têm sido marginalizadas e maltratadas há anos. Um estudo da OMS descobriu que 23 a 49 por cento das mulheres sofreram violência nas mãos dos seus parceiros íntimos em muitos países.

Um facto significativo a realçar, é que as mulheres são estigmatizadas quando falam. Na verdade, em alguns países, a violência contra as mulheres é amplamente considerada uma incidência típica. Violação, violência doméstica, mutilação genital, todos aparecem nos títulos dos jornais, mas pouco é feito contra os perpetradores ou para evitar a repetição ou propagação do crime.

Uma Missão Global

Coloca-se agora uma questão: Qual é a missão do mundo, neste momento? A libertação do povo feminino é uma responsabilidade de todos. O principal dever que todos nós temos que cumprir é tentar todos os meios para ter uma liderança decisiva e ponderada combinada com um compromisso sustentado para acabar com esta violência angustiante e levar os perpetradores à justiça.

O Tribunal Penal Internacional foi criado para o julgamento de crimes quando as nações não estavam dispostas a garantir a responsabilização dos criminosos. Na verdade, é um ponto de partida louvável e positivo para reduzir e conter a taxa de violência, sexual ou doméstica, contra mulheres e meninas. A aplicação de princípios e métodos para coibir a violência contra mulheres e meninas não deve ser exclusiva dos chamados crimes graves. Deve também afetar e ser aplicado às violações diárias dos direitos humanos. Portanto, cabe aos países de todo o mundo fazerem todos os possíveis para garantir que todas as formas de crimes contra mulheres e meninas sejam julgados em conformidade.

Conclusão

Um facto indiscutível é que as mulheres são componentes vitais da nossa sociedade e devem ter direito à sua voz na comunidade. Muitos grupos e organizações em vários países realizaram inúmeras campanhas contra a violência contra mulheres e meninas. Portanto, será vantajoso para o mundo em geral , se todos nós, como indivíduos, famílias, comunidades e países, pudermos oferecer o nosso apoio a esses grupos e às campanhas existentes, assumindo como responsabilidade coletiva acabar com a violência contra nossas mulheres e meninas.